Notícias

09h27

Hepatites Virais: médica fala sobre prevenção e diagnóstico

Dra Giovanna Orrico, médica infectologista do Labchecap, alerta que o quadro clínico da hepatite pode ser confundido com outras infecções.

Compartilhe
Tamanho do Texto
Hepatites Virais: médica fala sobre prevenção e diagnóstico

O mês de julho é dedicado à campanha de prevenção e diagnóstico das hepatites virais, sendo representado pela cor amarela. A doença se trata de uma infecção que atinge o fígado, causando alterações leves, moderadas ou graves. De acordo com o Ministério da Saúde, em nosso país as hepatites mais comuns são causadas pelos vírus A, B e C. Com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, encontrado com maior facilidade na África e na Ásia.

Doutora Giovanna Orrico (CRM 15112 RQE 6300), médica infectologista do Labchecap, alerta que o quadro clínico da hepatite pode ser confundido com outras infecções como mononucleose, dengue e salmonelose, por ter sintomas inespecíficos. “O diagnóstico deve ser realizado baseando-se na história clínica e epidemiológica, além de exames laboratoriais. Nestes exames notamos elevação acentuada de enzimas hepáticas (TGO e TGP), além de elevação de bilirrubinas e enzimas colestáticas. Já a sorologia específica confirma o diagnóstico”, informa.

 

 

 

 

Hepatite A

O Ministério da Saúde esclarece que, quando presentes, os sintomas são inespecíficos, podendo se manifestar inicialmente como fadiga, mal-estar, febre e dores musculares. A presença de urina escura ocorre antes da fase em que a pessoa pode ficar com a pele e os olhos amarelados (icterícia). Quanto à transmissão, Doutora Giovanna explica que ocorre por via fecal-oral (alimentos contaminados), sendo de caráter autolimitado, com evolução benigna na grande maioria dos casos.

O diagnóstico pode ser realizado por exame de sangue, sendo o ANTI-HAV IgM positivo indicativo de contaminação recente, o que caracteriza a infecção aguda. Já o ANTI-HAV IgG positivo indica que o indivíduo teve contato com o vírus da hepatite A e que se curou de forma espontânea. “O IgG positivo indica imunidade, é muito comum pessoas já vacinadas por exemplo, terem resultado positivo que permanece por toda a vida”, elucida Dra. Giovanna.

Hepatite B

vacinação é a principal medida preventiva contra a hepatite B, que também é classificada como uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST). O vírus está presente no sangue e secreções, e algumas das principais formas de transmissão são: relações sexuais sem preservativo com uma pessoa infectada; compartilhamento de materiais de higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, etc); procedimentos odontológicos ou cirúrgicos que não atendam às normas de biossegurança, entre outros.

Doutora Giovanna ressalta a importância dos cuidados que devemos ter para prevenir a infecção pelo vírus da hepatite B. “Além de manter o calendário vacinal atualizado, é importante o uso de preservativo em todas as relações, não compartilhar objetos pessoais como alicate de unha, lâminas de barbear, ter atenção na escolha do profissional que faz tatuagens e/ou colocação de piercings. Não posso deixar de mencionar que é imprescindível para mulheres grávidas ou que queiram engravidar a realização dos testes preventivos, evitando assim a transmissão da mãe para o filho”.

Hepatite C

A forma mais comum de manifestação deste vírus é a infecção crônica. Segundo a infectologista, a hepatite B e principalmente a hepatite C podem não apresentar quadros agudos de infecção e muitas vezes são assintomáticos, portanto, é comum ser um achado acidental de exames laboratoriais. “A transmissão destas infecções é através de via sexual ou parenteral (sangue ou material contaminado). As complicações deste vírus são fibrose ou cirrose hepática devendo ter acompanhamento médico mais rigoroso”, explica Dra. Giovanna.

O Ministério da Saúde informa que o surgimento de sintomas em pessoas com hepatite C é muito raro. Cerca de 80% delas não apresentam qualquer manifestação, por isso, a testagem espontânea da população prioritária é muito importante no combate a esse agravo. Aproximadamente 60% a 85% dos casos se tornam crônicos e, em média, 20% evoluem para cirrose ao longo do tempo. A infectologista alerta que não há vacina disponível para o vírus C da hepatite.

Hepatite Medicamentosa e Hepatite Alcoólica

Segundo a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a automedicação é a utilização de medicamentos por conta própria ou por indicação de pessoas não habilitadas, sem a avaliação de um profissional de saúde. O hábito de tratar sintomas isolados como dor de cabeça ou febre, é considerado um alto risco. A hepatite medicamentosa é causada pelo uso prolongado de alguns tipos de medicamentos, especialmente aqueles que têm capacidade de provocar irritação do fígado.

hepatite alcoólica é causada pelo uso prolongado e excessivo de bebidas alcoólicas que ao longo do tempo causa alterações no fígado. Alguns sintomas desses dois tipos de hepatites são iguais, como pele e olhos amarelados; náuseas e vômitos e dor abdominal do lado direito. O tratamento para a hepatite alcoólica deve ser orientado por um especialista, e pode variar de acordo com a gravidade da doença. A principal forma de regredir a doença é com a abstinência do álcool, para que assim diminua o fígado inflamado.

Vacina Hepatite A x Vacina Hepatite B

De acordo com Dra. Giovanna Orrico, existem vacinas para as hepatites A e B. “O esquema é realizado em duas doses para a vacina hepatite A (12 meses e 6 meses após) e para vacina hepatite B (ao nascer, um mês após e 6 meses após). Há a vacina combinada na recepção privada, (A e B) que é administrada em 3 doses (0.1 e 6 meses). A vacinação só é considerada completa após todas as doses aplicadas. Lembrando que não há vacina disponível para o vírus C da hepatite”.

Para finalizar, a infectologista elucida que indivíduos já infectados com algum tipo de hepatite, podem ser imunizados por outro tipo. “Por exemplo, quem tem hepatite C, pode receber a vacina de hepatite A e B. A testagem rotineira a vacinação dos suscetíveis é a melhor forma de prevenção de infecção por estes vírus, uma vez que toda a população está exposta por haver diversas vias de transmissão: via sexual, parenteral ou fecal-oral”.

Siga o Labchecap nas redes sociais
Deseja marcar seus exames e/ou vacinas?
Clique no botão ao lado.
Certificações e Acreditações
Controllab
Controllab
PNCQ
PNCQ
PALC
PALC
Sistema Nacional de Acreditação DICQ
Sistema Nacional de Acreditação DICQ
ISO 9001
ISO 9001
Call center
Salvador e região metropolitana: 71 3345.8200
Segunda à sexta 6:30h às 19h.
Sábado 6:30h às 14h
Feira de Santana e Alagoinhas 4020.8880
Segunda à sexta 6:30h às 19h.
Sábado 6:30h às 14h
Call center domiciliar: 71 3345.8200
Segunda à sexta 6:30h às 17h.
Sábado 6:30h às 13h.
Diretor Técnico Laboratorial : Dr. Josemar Fonseca - CRF 1290.
Diretora Técnica SEIMI: Dra. Ceuci Nunes - CREMEB 8876 - RQE 3124
Diretor Técnico Imagem : Dr. Valter Ribeiro - CREMEB 23543 - RQE 14979.
Diretora Operacional : Dra. Vanda Regina de Oliveira Baqueiro - CRF 1987
2021 - 2022. Labchecap. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Para obter mais informações, consulte a nosso política de privacidade e nossa política de cookies. E para entender os tipos de cookies que utilizamos, clique em Opções. Ao clicar em Aceito, você consente com a utilização de cookies.

Aceito Opções

Definições

Queremos ser transparentes sobre os dados que nós e os nossos parceiros coletamos e como os utilizamos, para que você possa controlar melhor os seus dados pessoais. Para obter mais informações, consulte a nossa política de privacidade e nossa politíca de cookies.

O que são cookies?

Cookies são arquivos salvos em seu computador, tablet ou telefone quando você visita um site.

Usamos os cookies necessários para fazer o site funcionar da melhor forma possível e sempre aprimorar os nossos serviços.

Alguns cookies são classificados como necessários e permitem a funcionalidade central, como segurança, gerenciamento de rede e acessibilidade. Estes cookies podem ser coletados e armazenados assim que você inicia sua navegação ou quando usa algum recurso que os requer.

Gerenciar preferências de consentimento

Utilizamos softwares analíticos de terceiros para coletar informações estatísticas sobre os visitantes do nosso site. Esses plugins podem compartilhar o conteúdo que você fornece para terceiros. Recomendamos que você leia as políticas de privacidade deles.

Bloquear / Ativar
Google Analytics
Necessário

São aqueles que permitem a você navegar pelo site e usar recursos essenciais, como áreas seguras, por exemplo. Esses cookies não guardam quaisquer informações sobre você que possam ser usadas em ações de comunicação de produto ou serviço ou para lembrar as páginas navegadas no site.

Bloquear / Ativar
Google Fonts
Necessário
Google Maps
Necessário

Os plugins são usados ​​para rastrear visitantes em websites. A intenção é exibir anúncios relevantes e atraentes para o usuário individual e, portanto, mais valiosos para editores e anunciantes terceirizados.

Bloquear / Ativar
Facebook Pixel
Recomendado